O PÃO DO CÉU

Multidão ali estava,
Que ansiosa procurava,
A bênção que não encontrava.

Multidão desesperada…
Multidão esfomeada…
Multidão necessitada…

Multidão que em cada era,
Fica sempre na espera,
De cumprir sua quimera.

Pão e circo lhe concedem,
Depois, que todos se arredem,
E vazios os despendem.

Mas um pão inusitado,
Só em Cristo encontrado,
Pode ao faminto ser dado.

Pra necessidade imensa,
Pouca coisa não compensa,
E não faz a diferença.

Mas pra Cristo, no entanto,
Não importa muito o quanto,
De tão pouco faz um tanto.

Pelo seu poder divino,
Fez dos pães de um menino,
Um milagre genuíno.

E supriu necessidades,
Demonstrou Sua Majestade,
Revelou sua verdade.

Pão que cura e que abençoa,
Que restaura e que perdoa,
Que não deixa a vida á toa.

Pão que do céu foi descido,
Que na cruz, sim, tem morrido,
Mas que está já ressurgido.

Ele é vera comida,
Ele dá sentido á vida,
Nele há eterna guarida.

Este pão tem que ser dado,
Pra o mundo necessitado,
Não pode ficar guardado.

Tudo a Cristo entregando
Ele vai multiplicando,
E muitos vão se salvando.

Só há mesmo salvação,
Do pecado a solução,
Pra quem acha em Cristo o pão!

Gilberto Celeti

“Esta aqui um menino que tem cinco pães de cevada e dois peixinhos. Mas o que é isso para tanta gente”?

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s